quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Prova de ingresso: aos poucos, o ME vai recuando...



Poucos foram aqueles que ao lerem a proposta de alteração do diploma do concurso, se deram conta de alterações, às quais posso chamar profundas, quanto à prova de ingresso.
Infelizmente ela continua a ser considerada, mas de acordo com a proposta deles, já apenas para o concurso externo, sendo omisso quanto à contratação, e havendo apenas obrigatoriedade de aprovação numa prova comum. Várias opiniões mostraram-me duas justificações bastante plausíveis para este facto: primeiro, devido à falta de condições para colocar na prática um dispositivo que permitisse a cada professor nas condições de fazer a prova, prestar três provas até ao próximo concurso; e segundo, a proximidade das próximas eleições.

A primeira justificação tem um senão: ao indicarem uma data específica, dão a entender que pelo menos essa prova será feita até ao próximo concurso...

Este recuo é um bom sinal que a nossa luta tem dado os seus frutos, e por isso mesmo, não podemos parar!

7 comentários:

Anónimo disse...

Boa noite!
Também sou professora contratada e a Prova de Ingresso tem-me retirado o sono...
Será mesmo um recuo do Ministério?
Vamos aguardar para ver...

Maria Joao Nora

Anónimo disse...

Viva a Mediocridade!!!

Eu também sou professor contratado, licenciei-me na Universidade de Coimbra, e todos os anos vejo-mo ultrapassado por imensos professores formados nas Universidades Privadas com médias de 16 e 17. É injusto.


Sou favorável à prova.

Ricardo

visiense disse...

Para Maria João Nora: aquilo que exigem nesta proposta é menos do que inicialmente, e vejo isso como um recuo. No entanto, ela continua a existir. Temos de ver isto como um doce que nos estão a tentar dar, mas temos que recusar, e sim, exigir o fim dela!

Para Ricardo: tenho uma opinião contrária à sua. Primeiro, porque ainda não consegui descortinar como uma prova que permite a alguém que tire média aritmética nos três testes de 18 (20, 20, 13), e seja considerado inapto, ao contrário de alguém que tire média de 14, e já seja considerado apto (14, 14,14), possa ser considerado uma prova de rigor e exigência.
Quanto ao Ricardo querer com esta prova passar à frente de outros colegas, peço imensa desculpa, mas não pode, devido a uma pequena percentagem de casos incorrectos, querer aplicar uma prova injusta e completamente desajustada a todos os outros.

RS disse...

É para lutar é para lutar...

Dia 8 ou 15 lá estarei...

Anónimo disse...

Boa tarde:

A minha dúvida é a seguinte: mas os que tencionem concorrer à contratação, têm ou não de fazer a prova de ingresso em 2009?
É que fiquei com a sensação de que era apenas para quem tencionasse concorrer à vinculação em 2009...
Maria João Nora

visiense disse...

O que saiu no decreto regulamentar seria que mesmo para contratação se teria que obter aprovação na prova. O que me parece nesta proposta de alteração das regras do concurso, é que apenas será para vinculação. Essa é a leitura que eu faço. Relembro no entanto que istó é apenas uma proposta, e que por enquanto, tudo está na mesma.

Roberto disse...

Ao que parece a prova de ingresso vai mesmo avançar. No entanto existe ainda um pequena possibilidade de as coisas se alterarem, visto que o ME vai realizar uma reunião com os sindicatos para ajustar alguns aspectos relativos à prova.
Só com alguma pressão sobre o ME é que podemos alterar o rumo dos acontecimentos. Participem no protestos contra a prova no próximo dia 5 de Novembro, pelas 18h00, no Governo Civil da Guarda. Existe o apoio o SPRC e a divulgação da iniciativa em alguns blogs.

http://www.professoresasfixiados.blogspot.com/

http://ocartel.blogspot.com/2008/10/concentrao-de-professores-contra-prova.html