domingo, 9 de março de 2008

Marcha da Indignação

9 de Março, 1h30

Cheguei a casa. Cansado, com os pulsos doridos de vários km a andar de muletas, só pensava em me deitar e dormir. Mas a curiosidade venceu, e lá fui eu dar uma vista de olhos na internet. Queria assegurar-me se aquilo que tinha visto e sentido em Lisboa, do Marquês de Pombal até ao Terreiro do Paço, era o que a comunicação social tinha visto também. Desta vez não houve números falsos vindos do Ministério da Educação, o número era praticamente consensual entre polícia e órgãos de comunicação social, quase 100 000 professores na rua! Este número até assusta. Tendo em conta que há perto de 170 000 professores em Portugal, entre empregados e desempregados, quer dizer que bem mais de metade deste universo juntou-se em Lisboa para dizer à ministra que não estão do lado dela, que quem a tem contestado ao longo destas últimas semanas não são apenas comunistas ou partidários de outro qualquer partido, que ela não tem a confiança para resolver o que quer que seja na Educação. Foi lindo ver um oceano de gente, com bandeiras, cartazes, tshirts alusivas, a dizer à ministra: Não a Esta Avaliação, Não à Prova de Ingresso, Não ao Modelo de Gestão, Não à sobrecarga de horário, entre outros.


instantes:

1 - O meu grupo da Grão Vasco, de Viseu, não eram muitos, mas eram bons! Parabéns aos colegas que foram, numa escola nos últimos tempos com pouca tradição na Luta, mas que começa a mudar!

2 - Atrás de mim, vinha um grupo de professores aposentados. Bem haja a esses professores que, não sendo afectados por estas políticas, têm orgulho em lutar pelos seus colegas e pela Escola Pública.

3 - Impressionante a frente do enorme grupo de vinha do Norte. Quem visse, ficava assustado: bem compactos, a ocupar toda a faixa e parte dos passeios, e ao som da música do carro à frente, todos a dançar e a cantar palavras de ordem. Espectacular! O pessoal do Norte é assim mesmo!

4 - Gostei de ver muitas pessoas a assistir à marcha e a aplaudirem-nos. Vários pais com cartazes a darem o seu apoio aos professores mereceram o aplauso da marcha!

5 - Vi a Federação de Associação de Pais de Viseu a participar na Marcha! O muito obrigado por essa demonstração de confiança em quem, na realidade, ensina os seus filhos!

27 comentários:

RS disse...

Foi Lindo!!

Tiago Carneiro disse...

A "tipa" que estava dentro do carro metia dó. Tinha uma vozinha. O que valeu foi eu e o Gustavo irmos à frente e termos vozeirões e não termos vergonha para puxar pela malta. Ainda me pediram para ir para o carro mas eu quis estar lá no maranhal. E foi porreiro pá!!!

"Quem é professor bate palmas (clap clap), bate palmas (clap clap), bate palmaaaaaaassssss..."

Fui eu que inventei!!! lol

Foi lindo.
Tou rouco!!!

Anónimo disse...

Se calhar ainda podiam estar mais, mas muitos TÊM MEDO, e preferem ficar a ver pela Televisão, sentadinhos nos sofás!...
Mesmo assim foram muitos e BONS
Parabens pela sua coragem.
Maria

Anónimo disse...

Os professores transformados em vanguarda avançad da clase operária...O PCP está a trabalhar bem e aproveitar naturais apreensões com as mudanças. Para a semana já há outra manif. O curios né que os protestos são feitos todos por quem é pago com os nossos impostos. Porque será?

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
storaPaula disse...

De muletas, Visiense? Não deve ter sido fácil. Espero que os pulsos já estejam bem.

Eu estava um pouco mais à frente, quase no início da "região centro".
Como não estou a dar aulas fui "sozinha", por coincidência acabei por ir no autocarro da escola onde estagiei.
Foi importante ter estado lá.

Anónimo disse...

COLEGAS

Uma PROPOSTA DE LUTA

Façamos respeitosamente chegar por MAIL o que sentimos, o que nos vai na alma, ao Ministério da Educação, ao Senhor Primeiro-Ministro e a todas as direcções regionais, distritais etc...

Talvez se torne relevante 100 000 mails por dia. não?

Açores

Anónimo disse...

Caro colega

É feio excluir opiniões contrárias, permita que discorde do que defende. Sou Titular sei do que falo. Contradiga.me se for capaz...

Não se deixe embalar pelos foguetes da comunicação social nem pelo espectáculo de rua… Os portugueses gostam de festas e, sobretudo, quando o autocarro é de graça e podem trazer toda a família para fazerem de profs.
Eu sou professora há quase 30 anos - o período de vida da nossa democracia. A Escola Pública encontra-se doente, quase em coma e tudo quanto os professores que gritam. pedem, é que fique como está… quer dizer, que morra, conquanto isso não lhes dê trabalho! Mas há os que pensam para além disso, há os que lutam para a melhoria da Escola Pública, o que não é possível sem AVALIAÇÃO. Avaliação das organizações e dos seus funcionários, logo, também, dos docentes. Mas é verdade, os profs querem ser avaliados, não querem «esta» avaliação!! Qual querem? Onde estão os erros? Nenhum dos meus colegas me diz. Eu, que tenho estudado de forma aprofundada estes temas, considero um modelo muito justo e equilibrado. Mas foram exactamente os colegas que marcaram presença na manif.(direito que lhes assiste)que não responderam a nenhuma das minhas perguntas orientadas para uma solução alternativa. E caso para desconfiar que nem a legislação chegaram a ler… vão… porque vão…
Anna

visiense disse...

Anna, faço minhas as palavras de uma amiga minha:

Anna, este espaço é realmente para comentar. Mas não lhe admito insultos. Faça favor de medir as suas palavras quanto aos professores que participaram na manifestação.
Que eu saiba aqui no Candidato a Professor a Anna nunca colocou nenhuma questão. Se tivesse colocado, teria resposta.
E não, não desconfie... os professores leram mesmo a legislação... por isso se manifestaram, sabia?

Se porventura não gostar da resposta, é fácil, peça realmente aos professores as razões porque não aceitam esta avaliação! Eu não aceito na minha avaliação critérios subjectivos, sujeito a algum dia de mau humor de um qualquer "super professor"... Não aceito uma avaliação demasiado complexa, que aumente exponencialmente a burocracia da escola, tirando aos professores tempo para o que realmente é a sua função: ensinar! Não aceito uma avaliação em que haja quotas para todas as notas que permitam a progressão na carreira. Não aceito uma avaliação que permite uns professores serem avaliados e outros não! Não aceito uma avaliação imposta por alguém (ME) que não cumpre o que legislou!...

Anónimo disse...

Cara colega, pelos vistos os seus 30 anos de carreira ainda não chegam para lhe mostrar o que realmente é ser professor...
Não percebo o que quer dizer com sou titular e sei o que falo...; como tem andado tão informada deve saber que o concurso a titular foi um pouco à sorte não sendo escolhidos para esse cargo os professores mais habilitados e, desculpe eu dizer, mas voçê deve ser um desses casos... Outra hipótese que coloco e acredito é que não seja professora...Um dos erros que esta avaliação tem é qq professor ser avaliado por uma pessoa tão "..." como a srª exma titular que sabe do que fala, mas que no fundo não sabe nada...

Marlene disse...

Penso que vi o Visiense na manifestação de muletas e com uma t-shirt sobre a prova de ingresso.Foi preciso coragem e força, mas valeu a pena. Foi um dia de união. Parabéns

visiense disse...

Viu de certeza! Lá estava eu de muletas, e com a tshirt a dizer "Prova de Ingresso para a Ministra!" lol

Mesmo de muletas, era um dia em que não podia faltar! Um dia histórico, em que todos os professores estão de parabéns!

Tiago Carneiro disse...

Fala-se numa nova greve.

Greve de uma semana.
Greve por tempo indeterminado.

Eu não concordo com a greve de que já se fala. Não que eu seja fura greves. Se for essa a decisão dos PROFESSORES eu tb farei greve. Pelo tempo que for necessário!!!
A greve só nos penaliza:
- monetariamente;
- na opinião pública;
- na recuperação do trabalho perdido.

Vamos ganhar coragem!!!
VAMOS SER UNIDOS. Vamos mostrar do que são feitos os PROFESSORES.
Greve não! Trabalho sim.

Ficar em casa é fácil!!! Difícil é perder férias e ir trabalhar.
???????????????
????????
??????????????????????????

SIM. Trabalhar!!!

Vamos trabalhar nas férias da Páscoa.
Vamos Pintar as Escolas. O Governo não investe nas nossas condições de trabalho. Vamos investir nós!!!
Será fácil arranjar quem patrocine as tintas.

PINTAR AS ESCOLAS

Eu vou.

Vamos?
Passem a palavra.
Abraço. Tiago Soares Carneiro.
http://democraciaemportugal.com

Anónimo disse...

Pois é, são atitudes como a desta colega que se diz com 30 anos de serviço e titular que reforçam a minha posição contra este modelo de avaliação.è que são colegas como esta que nos querem avaliar? O que quem esta colega mais do que eu para ser titular e mais ainda, para me avaliar?

Anónimo disse...

Minha cara Senhora professora Titular Anna.
não sou profª...sou encarregada de educação. não conheço o estatuto da carreira docente...conheço as escolas públicas onde os meus 3 filhos andam. Conheço o trabalho dos profºs. dos meus filhos, as horas que lá estão na escola, o esforço que fazem, as más criações de pais e colegas dos meus filhos...conheço o estatuto do aluno...um hino à mediocridade. Onde o que vale é quase a passagem administrativa.
já chega de achincalhar os professores deste país. eles não merecem..mas digo-lhe, cara professora titular...os seus colegas também não merecem uma colega como a senhora. a senhora profª titular acha que os 100 000 profºs. que se manifestaram não sabem porque estavam ali? olhe que isso é um insulto. a senhora professora acha que estariam apenas 50.000, sendo que os outros 50.ooo eram familiares para encheram as camionetas??? mas olhe que 50.000 já é um grande número.
enfim...pessoas como a senhora profª titular puseram este partido com maioria absoluta no governo. pena eu ter de levar com eles e...consigo
Gabriela Lopes

Anónimo disse...

Parabéns colega vienense, por ter vindo à manif mesmo de muletas!Não desista NUNCA de lutar por uma profissão digna e gratificante; se escolheu a de professor, é por essa que deve gritar a plenos pulmões e continuar a exigir o que merece!
Agora para a colega TITULAR ... deixou-me muito revoltada o seu comentário... sabe cara colega, eu TAMBÉM sou TITULAR... estive na manifestação porque entendi e entendo que os professores estão cada vez mais a serem maltratados e desrespeitados. O facto de ser titular, não significa que tome psições reacionárias como a sua ... e olhe que eu sei muito bem do que estou a falar e também do que não concordo. Sabe uma coisa? Daqui a pouco tenho o ECD quase decorado de tanto o ler nos poucos bocados que vou tendo livres...e há lá muita coisa, mas muita mesmo que está mal!
Agora para a Gabriela Lopes, encarregada de educação... saiba que concordo com tudo o que disse e saiba ainda, que INFELIZMENTE, eu fui uma das pessoas que colocou este partido com maioria absoluta no governo; e mais, "levei" muita gente comigo, para que se conseguisse essa maioria absoluta! E ESTOU MUITÍSSIMO ARREPENDIDA!!!
Enfim... não vale a pena chorar em cima do leite derramado... Temos (tenho) é que aprender com os erros...
Clara Lino

Anónimo disse...

Exma titular Anna!
Sou professora há 22 anos e não me revejo de forma alguma neste novo estatuto e nem sequer neste modelo de avaliação.Começa mal com a escolha dos professores titulares (uma aberração...), passando pela ironia de como seremos avaliados e terminando com a impossibilidade de progredir... (a não ser que titulares como a Exma tenham um "malzinho"...quiçá).
Caros colegas,devemos manter-nos unidos e lutar pela dignidade da nossa profissão e contra a hipocrisia de uma minoria.

José Manuel Dias disse...

Sou encarregado de educação de dois estudantes do Secundário e sei que há excelentes professores e professores que não são dignos do nome. Importa diferenciar desempenhos pela avaliação, isso só é possível fixando objectivos a nível de escola. Esta ou uma quaquer outra avaliação é necessária. Qual é a vossa proposta? Ou entendem que "são todos excelentes?!
Cumprimentos

Anónimo disse...

Colegas,
Algumas escolas já estão a constituir as tais comissões de avaliação que validarão as avaliações atribuídas aos docentes.
Já há pessoas que aceitaram esta função!
São insociáveis, prepotentes, com uma mania de superioridade,agora reforçada com a titularidade que lhes foi atribuída.
São estas figuras sinistras que vão avaliar os seus colegas?

visiense disse...

Concordo com uma avaliação externa da escola. Um processo que avalie os resultados, a todos os níveis, de uma escola. O responsável perante a tutela seria o presidente do Conselho Executivo. Dentro da escola, os professores responderiam pelo seu trabalho e resultados perante o responsável. Aí sim, haveria uma real autonomia das escolas, e através de uma avaliação por objectivos de cada escola, tendo em conta o contexto sócio-educativo, os resultados seriam sempre diferenciados, e ao encontro das necessidades e dificuldades desse contexto. Querer avaliar todos os professores, não importando o contexto, pela mesma bitola, com demasiados critérios, muitos deles, subjectivos, não irá trazer nenhuma valorização de qualidade nas escolas, apenas o aumento da burocracia e divisões.
Respondendo à última questão, obviamente que, como todas as profissões, não há só professores "excelentes", nem nenhum professor o disse. Existem alguns incompetentes, sem lugar no ensino. Mas como já foi referido pela grande maioria dos professores, nós queremos uma avaliação, não esta. E em qualquer avaliação, haverá sempre essa divisão entre os melhores e os piores. Mas devemos ter, no ensino público, uma avaliação também formativa, que permita aos professores ultrapassarem as suas dificuldades. Não confundir dificuldades com incompetência, pois para os incompetentes apenas há um caminho. Ou passam a ser competentes, ou, não têm lugar na Educação.
Espero ter respondido de forma clara às suas dúvidas.
Os meus cumprimentos, Filipe A.

José Manuel Dias disse...

Agradeço a atenção. Da leitura que fiz da sua resposta suscita-me, no entano, uma dúvida. A responsabilidae de fixação de indicadores não é da própra escola atendendo ao próprio contexto em que desenvolve a actividade?
Já teve curiosidade de ver o site da IGE sobre esta matéria? Respeito a sua posição mas dos 4 professores que são meus familiares todos eles preferes ser avaliados pelos pares. É por estas que o mundo não se vira...
Cumps

visiense disse...

Quanto aos indicadores, é da responsabilidade de cada escola. Contudo, são apenas indicadores a observar para responder aos mesmos critérios. Os critérios são iguais para todas as escolas. Quanto a ser observado pelos meus pares, eu não me oponho. Apenas dei uma alternativa. No entanto, continuo a dizer que o actual sistema não está correcto, e não por ser avaliado por pares, apenas por ter muitos critérios subjectivos, demasiada burocracia, e quanto a ser avaliado por pares, gostaria que esses tivessem na realidade autoridade moral, e formação específica para essa função. Muitos dos actuais titulares apenas o são por já estar num determinado escalão, e não pelas suas capacidades acima da média.

Cumps, Filipe A.

José Manuel Dias disse...

Concordo com a leitura, muitos titulares só o são por estarem em determinado escalão. Pode crer que com uma avaliação desempenho séria, esta ou uma qualquer outra, já não tinham chegado onde chegaram. Essa é, também, uma razões para que os bons professores pugnem pela avaliação de desempenho.
Cumps

visiense disse...

Eu pugno, tal como a grande maioria dos professores, por uma avaliação de desempenho justa e objectiva. Dou-lhe um exemplo: que tipo de justiça e de de qualidade está num processo que me irá avaliar apenas num período lectivo? Irei ter uma nota anual apenas baseado em informações de um pequeno período de tempo. Considera isso justo? Considera essa avaliação demosntrativa do meu trabalho anual? Eu não considero.

Anónimo disse...

Claro que acho mal, por um período não se avalia o desempenho do ano. Agora, tenho de concordar que a avaliação é necessária e urgente e não estou tanto a pensar nos Contratados que hoje disputam lugares mas nos efectivos que se acomodaram aos lugares, têm horários mais reduzidos, escolhem os horários e não se empenham de forma adequada. Os novos sabem que o mundo é para os melhores. Os acomodades não queremm ser avaliados.
Cumps

visiense disse...

Eu concordo que haja efectivos que se tenham acomodado, mas da minha experiência pessoal, a maioria dos que conheço são bastante competentes e não acomodados a estratégias antigas. Aliás, muitos, estão em constante formação. Penso que esse será uma caminho errado a seguir. Existem professores competentes, e alguns que não o são, independentemente de serem contratados ou vinculados aos estado.
Cumps

Anónimo disse...

Parabéns atodos os colegas que se manifestaram por uma educação decente de forma tão briosa. Este foi, sem dúvida, um dos dias mais belos que já vivi neta profissão... Custa dizer isto, mas ... so por isto, obrigado, Milú!

Se existisse uma banda sonora da Nossa Marcha, acho que seria esta, que fiz com muito gosto.
Que a luta continue!

http://br.youtube.com/watch?v=QZl3U0Cd6HY

João Francisco